Adega Edicao 180

ADEGA traz-lhe o melhor do apaixonante e sofisticado mundo do vinho. Matérias completas com imagens deslumbrantes dos grandes vinhos, regiões produtoras, vinícolas, entrevistas, viagens, dicas de harmonização e centenas de avaliações independentes de vinhos para todos os gostos, bolsos e ocasiões. Leia e comprove porque ADEGA é a maior revista de vinhos em Português.

País:
Brazil
Idioma:
Portuguese
Editor:
Inner Publishing Net LLC
Periodicidad:
Monthly
US$ 2,99
US$ 19,99
12 Números

en este número

2 min.
15 anos

NOSSA HISTÓRIA É PONTUADA POR alguns marcos. Esses marcos podem ser diversas coisas, sejam extraordinárias, sejam corriqueiras. A entrada na faculdade, por exemplo. O início de um relacionamento. O ingresso em um projeto novo. O nascimento de um filho. Uma viagem com amigos e pessoas que amamos. A conquista de algo que desejamos muito. Enfim, há acontecimentos que, por determinadas razões, tornam-se pontos de inflexão em nossas vidas. Nesta edição, ADEGA completa 15 anos e este é certamente um novo momento marcante em nossa história. Você já deve ter percebido, ao folhear as primeiras páginas da revista, que mudamos o nosso projeto gráfico. Assim como os estilos dos vinhos dos últimos anos passaram por algumas transformações paulatinas, tornando-se mais puros e prazerosos mesmo na juventude, nós também buscamos um maior dinamismo,…

adega2011_article_008_01_01
2 min.
cartas

Grandes ícones Na seleção de ícones do Novo Mundo da edição 179, senti falta de alguns nomes. Na minha lista incluiria Clos Apalta, por exemplo. E também acho que poderia ter incluído alguns vinhos de outros países como Canadá (os Inniskillin) e Nova Zelândia (alguns da vinícola Destiny Bay). Poderia ter outros da Austrália também como Torbreck e Petaluma etc. Mas, enfim, a lista apresentada é muito boa e certamente vai gerar discussão. Bernardo Peralta Errata Na seção “ADEGA responde” da edição 178, a questão postada sobre o problema da rolha quebradiça está equivocada. A questão do leitor Rômulo Queiroz, que deveria ter sido publicada é esta: “Abri um vinho tinto de 2010 e a rolha estava ressecada e quebradiça. A cor do vinho estava estranha e sem aromas frutados. Fui até a loja…

adega2011_article_012_01_01
2 min.
o limiar alcoólico

SEGUNDO A LEGISLAÇÃO, OS vinhos finos devem ter entre 8,6 e 14% de volume alcoólico. Mas hoje não é incomum vinho que apresente no rótulo valor superior a isso e, não, ele não será classificado como licoroso a não ser que, de fato, seja um licoroso (que pode ter acréscimo de aguardente vínica, por exemplo). Se o grau alcoólico desse vinho foi obtido naturalmente, pela fermentação, ele será apontado simplesmente como fino. Um pequeno adendo à lei de 1988 que tratava sobre o vinho foi criado com a Instrução Normativa número 14 de 2018. Nele, acrescentou-se os seguintes trechos: “São classificados e denominados vinhos nobres, aqueles elaborados no território nacional exclusivamente a partir de uvas da espécie Vitis vinifera que apresentarem teor alcoólico de 14,1% (quatorze e um décimo por cento)…

adega2011_article_014_01_01
1 min.
drama de romanée-conti na televisão

O livro “Shadows in the Vineyard” (traduzido no Brasil para “A história do Romanée-Conti”), de Maximillian Potter, que conta o curioso caso do envenenamento das videiras e do pedido de resgate do vinhedo de Romanée-Conti ocorrido em 2010, está sendo adaptado para se transformar em uma série televisiva estrelada por Noah Wyle e Judith Light, atores de outros seriados norte-americanos. As empresas cinematográficas Landmark Studio Group e District 33 anunciaram que a produção começará em 2021. A série irá dramatizar o caso ocorrido em 2010 que abalou a icônica propriedade e toda a Borgonha. Em janeiro daquele ano, o coproprietário Aubert de Villaine recebeu cartas anônimas ameaçando envenenar e destruir o vinhedo a menos que um resgate de € 1 milhão fosse pago. Os produtores também indicaram que a história irá explorar…

adega2011_article_016_01_01
1 min.
expansão no rhône

Dois grandes nomes do vinho no Vale do Rhône adquiriram novas vinícolas recentemente. A família Guigal comprou o Domaine Les Clefs d’Or, em Châteauneuf-du-Pape. E a família Fabre-Abeille, proprietária do Château Mont-Redon, em Châteauneuf, adquiriu o histórico Domaine de L’Oratoire St.-Martin em Cairanne. “Estávamos procurando comprar outro vinhedo com terroir excepcional. Quando o Oratoire foi colocado à venda, aproveitamos a ocasião”, disse Pierre Fabre, coproprietário e presidente do Château Mont-Redon. O Domaine de L’Oratoire St.-Martin estava na família Alary desde 1692. Fabre iniciou negociações com os irmãos Frédéric e François Alary há 18 meses. A propriedade é certificada como orgânica e biodinâmica. À frente de seu tempo, os irmãos Alary evitaram pesticidas e fertilizantes químicos nos últimos 30 anos. Enquanto isso, Guigal expandiu suas participações em Châteauneuf-du-Pape com a aquisição do Domaine…

adega2011_article_018_01_01
1 min.
próxima parada: vinho

Uma estação ferroviária na cidade japonesa de Shiojiri lançou o primeiro vinho feito de vinhas plantadas em suas plataformas. A estação de trem plantou um “vinhedo” nas plataformas 3 e 4 em 1988 como uma forma de promover o vinho local para os turistas que visitam a área. As videiras de Merlot e Niagara, conduzidas em pérgulas, são mantidas pela equipe da Japan Railways e habitantes locais, que podem se voluntariar para ajudar a podar e colher as uvas sob a orientação de especialistas. As uvas nunca haviam sido transformadas em vinho antes e, em vez disso, costumam ser dadas aos visitantes ou usadas para pesquisas por estudantes de enologia. No entanto, no ano passado, pela primeira vez, foi decidido que as uvas seriam usadas para produzir vinho para comemorar o 60º…

adega2011_article_018_02_01