EXPLORARBIBLIOTECA
Comida & Vinho
Adega

Adega Edicao 173

ADEGA traz-lhe o melhor do apaixonante e sofisticado mundo do vinho. Matérias completas com imagens deslumbrantes dos grandes vinhos, regiões produtoras, vinícolas, entrevistas, viagens, dicas de harmonização e centenas de avaliações independentes de vinhos para todos os gostos, bolsos e ocasiões. Leia e comprove porque ADEGA é a maior revista de vinhos em Português.

País:
Brazil
Língua:
Portuguese
Editora:
Inner Publishing Net LLC
Periodicidade:
Monthly
Ler Mais
ASSINATURA
US$ 19,99
12 Edições

nesta edição

2 minutos
de que lado você está?

Você se considera de direita? Ou de esquerda? Pouco importa a sua inclinação política, quando se trata de Bordeaux, você pode ser tanto de direita quando de esquerda. Um debate recorrente entre enófilos de todo o mundo costuma ser de qual margem saem os melhores vinhos bordaleses. Seria do Médoc? Ou de Saint-Émilion? Talvez você prefira Graves? Ou quem sabe Pomerol? Para que você não fique perdido nessa saudável discussão, em que preferir um dos dois lados não significa menosprezar o outro, ADEGA preparou um guia prático para compreender as principais diferenças entre os vinhos produzidos em ambas as margens do rio Gironde, além de fazer uma seleção com algumas pérolas de cada lado. Vale a pena conferir e, melhor ainda, quem sabe provar na prática “quem está certo”. Nessa disputa,…

2 minutos
cartas

DICAS DE TURISMO NO VALE Sou assinante da revista (assinatura impressa), e gostaria de uma ajuda de vocês. Em maio, viajarei para o Vale dos Vinhedos. Procurei em alguns sites sobre indicações de passeio e vinhedos, inclusive alguns que possuam a possibilidade de hospedagem. Mas, na verdade, encontrei muita variedade de indicações. Algumas indicações mais frequentes foram Valduga, Pizzato etc. Vocês têm essas indicações em alguma revista anterior ou reportagem? Caso negativo, terão isso nos próximos dois meses? Caso não, será que conseguiria algumas indicações de vocês? Antonio Augusto Muito obrigado nos acompanhar. Queremos ajuda-lo a ter a melhor experiência em sua viagem. Temos algumas matérias publicadas sobre o assunto, como estas duas por exemplo: https://revistaadega.uol.com.br/artigo/ dicas-paraaproveitar-o-verao-na-serra-gaucha_11498.html https://revistaadega.uol.com.br/artigo/ ao-perfume-dos-vinhedos_5232.html Mas, se quiser algumas indicações pontuais, aqui vão: - Casa Valduga e seu restaurante Maria Valduga; restaurante…

2 minutos
natural, orgânico ou biodinâmico?

As preocupações com o meio ambiente e com a sustentabilidade do planeta estão cada vez mais prementes e fazem com que o mundo do vinho acompanhe essa tendência. Assim, alguns produtores e consumidores, sempre que podem, tentam mostrar que estão atentos a essas questões. Dessa forma, os vinhos ditos naturais, orgânicos ou biodinâmicos aparecem com força no mercado. Mas qual seria a diferença entre essas nomenclaturas? Todas elas denotam vinhos “sustentáveis” ou ecologicamente corretos? Vamos começar pela categoria orgânico. O vinho orgânico é produzido sem o uso de pesticidas artificiais, fungicidas, herbicidas etc., de acordo com regras estabelecidas por órgãos internacionais. Os viticultores podem cultivar e combater problemas usando produtos que ocorrem naturalmente, como o dióxido de enxofre, ou introduzir predadores ou induzir a confusão sexual usando feromônios. Na vinícola, também…

8 minutos
a força da austrália

Em 1991 você é premiado “Enólogo do Ano” pela International Wine and Spirit Competition, no Reino Unido. Acumula esse título com o prêmio de melhor enólogo de vinhos tintos. Em 1995, você elabora o primeiro vinho de seu país a ser premiado “Vinho do Ano” pela Wine Spectator. Em 2000, novamente recebe o prêmio de melhor enólogo de vinhos tintos do mundo pela International Wine and Spirit Competition. A esta altura, você se tornou uma lenda entre os enólogos e uma marca de qualidade para a empresa em que trabalha, com emprego garantido para o resto da vida. Aqui poderia se encerrar a história de John Duval, que elevou o Shiraz australiano, mais especificamente o Penfolds Grange 1990, à categoria de cult wine global. Mas, em 2002, Duval pediu demissão, para…

8 minutos
o colecionador

Oque leva uma pessoa a colecionar vinhos? Difícil definir como essa paixão cresce e se solidifica dentro de nós, não? Você começa a se interessar por vinho. Degusta um pouco, passa a conhecer um pouco mais, pesquisa, descobre coisas interessantes, histórias, curiosidades, novidades. De repente, depara-se com alguns rótulos que chamam sua atenção. Compra. Guarda. Compra. Guarda. Compra. Guarda. Depois de algum tempo, bebe algumas das garrafas que comprou, mas logo percebe que formou uma bela galeria. Sim, você se tornou um colecionador, algumas vezes, sem perceber. Em nossas adegas, costumamos guardar vinhos que nos tocam, vinhos raros, vinhos caros, vinhos que nos dizem algo, enfim, vinhos aos quais nos apegamos de alguma forma. Uma das coisas que nos leva a colecionar vinhos é a história. A história do produtor, ou…

1 minutos
a prensa de gutenberg e a prensa de vinho

Diz-se que Gutenberg usou modelos em madeira já existentes (criadas na Ásia) para montar sua famosa prensa. Nela, porém, ele substituiu a madeira por metal e blocos de impressão com cada letra. Para disponibilizar os tipos em grandes quantidades e em diferentes estágios de impressão, Gutenberg aplicou o conceito de fundição de réplicas, que propiciava letras criadas ao contrário em latão e réplicas feitas a partir desses moldes, derramando chumbo derretido. Os pesquisadores especularam que Gutenberg usou um sistema de fundição que usa areia esculpida para criar os moldes de metal. As letras foram criadas para se ajustarem de maneira uniforme. Ele ainda fez sua própria tinta, criada para fixar no metal, e não na madeira. Gutenberg também foi capaz de aperfeiçoar um método de achatamento de papel de impressão,…