EXPLORARBIBLIOTECA
searchclose
shopping_cart_outlined
exit_to_app
category_outlined / Negócios & Finanças
Harvard Business Review BrasilHarvard Business Review Brasil

Harvard Business Review Brasil Agosto 2016

É a edição brasileira da mais importante revista de economia, gestão e négocios do mundo. Fundada há 91 anos, permanece na liderança das idéias revolucionárias que movem corporações em todo o mundo

País:
Brazil
Língua:
Portuguese
Editora:
RFM EDITORES Ltda
Ler Maiskeyboard_arrow_down
Nota Save 40% on your subscription!
ASSINATURA
US$134,55US$80,73
12 Edições

NESTA EDIÇÃO

access_time1 minutos
consertando um sistema em pane

À primeira vista, a manchete desta edição não é exatamente “palpitante”. Mas sejam pacientes conosco. O título envolve um debate, iniciado por uma das mais brilhantes autoridades da área de saúde sobre um dos temas mais importantes (que vale a pena!) enfrentado pelos Estados Unidos e por muitos outros países — aí incluído o Brasil.Existem alguns modelos em estudo. Apresentamos dois com foco nos Estados Unidos e uma visão de especialistas brasileiros sobre como essas propostas podem ser explicadas aqui. Em “A defesa do modelo de pagamento per capita”, Brent James e Gregory Poulsen, da Intermountain Healthcare, defendem um sistema que oferece aos grupos provedores de saúde um pagamento fixo por pessoa, anual, para cobrir todos os serviços de assistência médica. Os autores mostram como isso poderia alinhar os incentivos…

access_time1 minutos
colaboradores

Quando Brent James conheceu o especialista W. Edwards Deming, em 1987, Deming expôs uma ideia brilhante: a assistência médica de alta qualidade deveria reduzir custos, não aumentá-los. James levou a ideia para seus colegas da Intermountain Healthcare, que na época testava métodos para evitar infecções pós-operatórias. Alguns meses depois eles provaram que Deming estava certo: ao estabelecer um novo padrão nacional, as taxas de infecções e os custos diminuíram. Na pág. 46, James e e Gregory Poulsen descrevem como o modelo de pagamento per capita, que apoia esforços para eliminar o desperdício, pode reformular os serviços de assistência médica. Quando foi diretor de publicidade do guia de viagem Let´s Go, Adam Grant apresentou uma proposta incomum: colocar um produto num filme. O conselho decidiu investir em outro projeto, que…

access_time2 minutos
mudanças que produzem resultados

“A inovação precisa fazer parte do dia a dia de todos os profissionais da EY. Para isso, coordenamos um movimento que forma agentes replicadores de uma cultura criativa, capaz de transformar nosso relacionamento com os clientes e de gerar novos negócios.”Denis Balaguer Diretor do Centro de Inovação da EYIncentivar o pensamento criativo é uma importante ação para todas as empresas, independentemente do perfil ou do setor. No entanto, muitas delas apresentam dificuldades em uma etapa específica: tirar esse projeto do papel. Tratar a inovação como um processo que precisa ser estruturado e sistematizado é uma preocupação da EY, que criou um programa cujo objetivo é fomentar a criação de produtos e serviços que impactem o mundo dos negócios, o BeyondLabsEY.Um dos pilares do projeto é promover a inovação radical, aquela…

access_time5 minutos
tecnologia robôs mais inteligentes, menores e mais seguros

(COURTESY OF RETHINK ROBOTICS)Os robôs utilizam acessórios ópticos para observar quando os suprimentos estão acabando e alertam os colegas humanos, diminuindo o tempo de inatividade. Os algoritmos permitem que reconheçam, peguem e manipulem itens, mesmo se estiverem dispostos de modo impreciso, aumentando a eficiência. Os sensores impedem que os braços atinjam as pessoas próximas, aumentando a segurança. A velocidade e a força dos robôs — e o fato de não ficarem entediados ou sofrerem lesões causadas por esforços repetitivos — os tornam uma opção quase óbvia para a produção industrial. Porém, há uma exigência a ser atendida. A fim de se integrarem em uma fábrica, é preciso que sejam instalados de forma precisa (com uma margem de erro milimétrica), parafusados ao piso e devidamente cercados para manter os operários protegidos…

access_time2 minutos
“a questão é sempre: qual a melhor solução para dar apoio aos nossos funcionários?”

(PADDY MILLS)Como seus funcionários reagiram a trabalhar junto aos robôs adaptativos? Em geral, as reações foram muito positivas. Os robôs estão tirando muito do trabalho difícil das costas de nossos funcionários. E ajudam a aumentar a qualidade, flexibilidade e a estabilidade do processo.Para dar um exemplo: os selantes de porta precisam ser aplicados com uma pressão contínua de aproximadamente 7 quilos. E os funcionários têm de fazer isso em uma posição muito desconfortável. É fácil imaginar que, após várias portas, o grau de precisão diminui. Portanto, demos a tarefa a um robô peso-leve que é capaz de manter a precisão e aplicar a pressão de modo contínuo, sem intervalo. O funcionário está feliz, pois foi liberado de uma tarefa exaustiva e é capaz de assumir algo diferente. Ao mesmo tempo,…

access_time6 minutos
consumidores éticos não nos inspiram — eles nos aborrecem

(MARK PERNICE)A pesquisa: Em uma série de estudos, Rebecca Walker Reczek e Daniel Zane, da Fisher College of Business, e Julie Irwin, da McCombs School of Business, perguntaram aos participantes quais informações gostariam de ter ao comprar jeans. Eles eram informados de que, por limitações de tempo, poderiam obter detalhes sobre somente duas das seguintes condições: preço, estilo, lavagem e práticas de utilização de mão de obra infantil. Aos que não escolhiam práticas de uso de mão de obra infantil, perguntava-se qual era sua opinião sobre os consumidores que escolhiam essa condição. Eles davam aos bons samaritanos avaliação baixa no que se referia a características positivas (ser atraente e moderno) e alta no que dizia respeito a características negativas (ser esquisito e chato).O desafio: Por que as pessoas demonstram desdém…

help