EXPLORARBIBLIOTECA
searchclose
shopping_cart_outlined
exit_to_app
category_outlined / Negócios & Finanças
Harvard Business Review BrasilHarvard Business Review Brasil

Harvard Business Review Brasil Maio 2019

É a edição brasileira da mais importante revista de economia, gestão e négocios do mundo. Fundada há 91 anos, permanece na liderança das idéias revolucionárias que movem corporações em todo o mundo

País:
Brazil
Língua:
Portuguese
Editora:
RFM EDITORES Ltda
Ler Maiskeyboard_arrow_down
Nota Get 40% OFF with code: BIG40
ASSINATURA
US$140,33
12 Edições

NESTA EDIÇÃO

access_time1 minutos
o asg atinge a maturidade

HÁ ANOS OS LÍDERES EMPRESARIAIS admitem que as empresas têm um papel a cumprir na abordagem de desafios urgentes, como as mudanças climáticas e a segurança cibernética. Mas, apesar das boas intenções, esses executivos também reconhecem que os assuntos ambientais, sociais e de governança são uma preocupação secundária para seus maiores investidores. Mesmo que queiram fazer gestão de longo prazo, eles acreditam que o mercado exige prioridade para os resultados trimestrais. Isso está mudando. “A impressão dos líderes de negócios é que, na comunidade de investimentos, o ASG não se tornou mainstream. Essa percepção está desatualizada”, dizem Bob Eccles, da Saïd Business School, e Svetlana Klimenko, do Banco Mundial. Em “A revolução do investidor” (página 50), eles apresentam evidências convincentes de que os investidores institucionais estão tornando o ASG uma prioridade.…

access_time1 minutos
harvard business review brasil

EDITOR-CHEFE Adi Ignatius EDITORA Amy Bernstein PUBLISHER Joshua Macht DIRETOR-GERAL Edward Crowley EDITORA EXECUTIVA Sarah Cliffe DIRETOR DE ARTE Matthew Guemple EDITORA HBR.ORG Maureen Hoch EDITORES SENIORES Alison Beard, Ania Wieckowski, Curt Nickisch, Daniel McGinn, David Champion, Eben Harrell, Gardiner Morse, Jeff Kehoe, Laura Amico, Lisa Burrell, Melinda Merino, Scott Berinato, Steven Prokesch, Vasundhara Sawhney, Walter Frick EDITORA ASSOCIADA SENIOR Susan Francis EDITORES ASSOCIADOS Courtney Cashman, Dave Lievens, Erica Truxler, Gretchen Gavett, Nicole Torres EDITORAS DE ARTIGOS Amy Meeker, Christina Bortz, Martha Lee Spaulding, Susan Donovan EDITORES CONTRIBUINTES Amy Gallo, Anand P. Raman, Andrew O’Connell, Karen Dillon, Jane Heifetz, John Landry DIRETORA DE PRODUÇÃO EDITORIAL Dana Lissy CONSELHO EDITORIAL José Guimarães Monforte José Luiz Bichuetti Murilo Portugal Pedro Parente PUBLISHER Roberto Müller Filho rmuller@rfmeditores.com.br DIRETORA-GERAL Carolina Martinez carolina@rfmeditores.com.br EDITORA-CHEFE Ana de Magalhães ana@rfmeditores.com.br EDITORA DE ARTE Débora de Bem debora@rfmeditores.com.br PROJETOS ESPECIAIS E PUBLICIDADE Gerente: Daisy Fernandes daisy@rfmeditores.com.br HBR Brasil Channel: Christine Salomão christine@hbrbr.com.br GERENTE DE MARKETING Mariana Monné mariana.monne@rfmeditores.com.br SITE E MÍDIAS SOCIAIS Bruno Ascenso bruno@rfmeditores.com.br CIRCULAÇÃO E ASSINATURA Supervisora: Cláudia Santos claudia@rfmeditores.com.br Vendas: atendimento@rfmeditores.com.br…

access_time6 minutos
quando escândalos engolem um garoto-propaganda

EM DEZEMBRO DE 2009, profissionais de marketing da Accenture, AT&T, Gatorade, General Motors, Gillette, Nike, TAG Heur e de outras empresas enfrentaram uma situação difícil. Depois que um tabloide divulgou relatos de infidelidade e de uma suposta briga com sua esposa, que terminou em um acidente de carro, Tiger Woods — que possuía contrato de patrocínio com essas empresas — desculpou-se publicamente (ainda que de maneira vaga) por seu comportamento e anunciou que estava se afastando, por tempo indeterminado, do golfe. Os dias subsequentes trouxeram mais histórias indecorosas. As empresas deveriam abandonar Woods ou seguir em frente com os contratos? No decorrer das semanas, investidores das empresas que tinham Tiger Woods como garoto-propaganda perderam US$ 12 bilhões à medida que o preço de suas ações caía. Para os gerentes dessas…

access_time3 minutos
“poucas celebridades são irrepreensíveis”

Por mais de 20 anos, Bob Williams, CEO da Burns Entertainment, fez o casamento entre celebridades e marcas (entre seus acordos: assegurar que a atriz Mila Kunis promovesse a marca de bebidas alcoólicas Jim Beam e conseguir que a estrela da NBA Steph Curry fizesse propaganda para os antiperspirantes Degree). Williams conversou recentemente com a HBR a respeito de como as empresas reagem quando um garoto-propaganda se envolve em um escândalo. Trechos editados a seguir. Até que ponto as empresas se preocupam com os escândalos de seus garotos-propaganda? Há 20 anos o nível de preocupação era um em uma escala de 0 a 10. Atualmente é oito. O marco dessa mudança, para mim, ocorreu no ano de 2003, quando Kobe Bryant foi acusado de assédio sexual [nota do editor: as acusações foram…

access_time2 minutos
o valentão do escritório

Adversários militares e esportivos normalmente observam a personalidade de um líder rival ao pensar em uma atitude competitiva, como um ataque. Na estratégia dos negócios, contudo, esse elemento é raramente estudado; imagina-se que as empresas tomem decisões estratégicas com base em dinâmicas competitivas ou fatores microeconômicos. Um novo estudo observou as relações entre a influência pessoal dos CEOs e a incidência de ataques competitivos contra suas empresas. Tomando como base a teoria de que as vítimas em geral tendem a ser submissas ou pouco afeitas a responder a uma provocação, ou tão provocantes que os rivais atacam preventivamente (pense nas brigas em pátios escolares e nos bares), os pesquisadores codificaram vídeos publicamente disponíveis de 102 CEOs de empresas da Fortune 500 de 2010 a 2016, avaliando cada líder como possuidor de…

access_time6 minutos
ao apresentar uma ideia, lembre-se de que gestos são mais importantes que palavras

Joep Cornelissen, da Erasmus University, e sua equipe pediram a investidores experientes que assistissem a um vídeo de um empreendedor que apresentava um novo aparelho. Foram feitas quatro versões da apresentação: uma delas fazia uso de uma grande quantidade de linguagem figurativa; outra incluía gestos frequentes com as mãos; uma terceira valia-se das duas coisas; e a última não fazia uso nem de uma coisa nem de outra. As pessoas que viram o vídeo que continha apenas a apresentação em que se fazia uso de gestos frequentes mostraram-se, em média, 12% mais interessadas em realizar o investimento. A conclusão: Cornelissen: Nós de fato constatamos que gestos são uma maneira realmente importante de fazer com que investidores acreditem em um aparelho fictício que ajuda as pessoas a se recuperar de lesões causadas…

help