EXPLORARBIBLIOTECA
searchclose
shopping_cart_outlined
exit_to_app
category_outlined / Negócios & Finanças
Harvard Business Review BrasilHarvard Business Review Brasil

Harvard Business Review Brasil Julho 2019

É a edição brasileira da mais importante revista de economia, gestão e négocios do mundo. Fundada há 91 anos, permanece na liderança das idéias revolucionárias que movem corporações em todo o mundo

País:
Brazil
Língua:
Portuguese
Editora:
RFM EDITORES Ltda
Ler Maiskeyboard_arrow_down
ASSINATURA
US$132,13
12 Edições

NESTA EDIÇÃO

access_time2 minutos
o problema da integridade

RECENTEMENTE, O NOTÍCIÁRIO foi tomado por histórias de apropriação indébita, suborno e outros tipos de corrupção corporativa. Em uma pesquisa de 2018, a PwC descobriu que, no ano anterior, quase metade das 7.228 empresas participantes havia sido vítima de crime econômico ou fraude — ante 30% em 2009. Logo, não é exagero dizer que o crime de colarinho branco é um problema crescente. E tem custos consideráveis: destrói o valor para o acionista, drena os recursos da gestão e mancha a imagem da empresa, por vezes de forma irremediável. A mesma pesquisa da PwC descobriu também que mais de metade dos criminosos de colarinho branco eram “atores internos” — fenômeno abordado por Paul Healy e George Serafeim, da Harvard Business School, em “Como blindar sua empresa contra escândalos” (página 20). Eles…

access_time1 minutos
harvard business review brasil

EDITOR-CHEFE Adi Ignatius EDITORA Amy Bernstein PUBLISHER Joshua Macht DIRETORA EDITORIAL Sarah Cliff EDITORA EXECUTIVA Ania G. Wieckowski DIRETOR DE CRIAÇÃO John Korpics EDITORA HBR.ORG Maureen Hoch EDITORES SENIORES Alison Beard, Daniel McGinn, David Champion, Eben Harrell, Gardiner Morse, Jeff Kehoe, Laura Amico, Scott Berinato, Scott LaPierre, Steven Prokesch, Toby Lester, Vasundhara Sawhney EDITORES ASSOCIADOS Courtney Cashman, Dave Lievens, Gretchen Gavett, Nicole Torres, Susan Francis EDITORES CONTRIBUINTES Amy Gallo, Anand P. Raman, Andrew O’Connell, Jane Heifetz, John Landry, Karen Dillon CONSELHO CONSULTIVO EDITORIAL Azeem Azhar, Bharat Anand, John Battelle, Nicco Mele, Vivek Shah CONSELHO EDITORIAL José Guimarães Monforte José Luiz Bichuetti Murilo Portugal Pedro Parente PUBLISHER Roberto Müller Filho rmuller@rfmeditores.com.br DIRETORA-GERAL Carolina Martinez carolina@rfmeditores.com.br EDITORA-CHEFE Ana de Magalhães ana@rfmeditores.com.br EDITORA DE ARTE Débora de Bem debora@rfmeditores.com.br PROJETOS ESPECIAIS E PUBLICIDADE Gerente: Daisy Fernandes daisy@rfmeditores.com.br HBR Brasil Channel: Christine Salomão christine@hbrbr.com.br GERENTE DE MARKETING Mariana Monné mariana.monne@rfmeditores.com.br SITE E MÍDIAS SOCIAIS Bruno Ascenso bruno@rfmeditores.com.br CIRCULAÇÃO E ASSINATURA Supervisora: Cláudia Santos claudia@rfmeditores.com.br Vendas: atendimento@rfmeditores.com.br…

access_time9 minutos
radar

NA TEORIA AS FORMAS ERRADAS DE FORTALECER A CULTURA Os três erros que frustram muitos esforços EM COMPARAÇÃO COM OUTRAS atividades dos líderes empresariais, como contratação certa de talentos e definição de estratégias, a mudança de cultura corporativa pode ser particularmente desafiadora. A cultura é amorfa. Não há instrumentos diretos para mudá-la numa direção ou outra. Há indicações de que atualmente os CEOs estão considerando esses aspectos da liderança altamente prioritários, como jamais fizeram antes. De acordo com um estudo da empresa de pesquisa e consultoria Gartner, os CEOs mencionaram a cultura com frequência 7% maior nos resultados de teleconferências em 2016 do que em 2010. Nas pesquisas, tanto CEOs como CHROs afirmam que “gerir e melhorar a cultura” é prioridade máxima da gestão de talentos. E os dados indicam que há…

access_time13 minutos
como eu fiz a ceo do grupo match fala sobre inovação em uma indústria que muda rapidamente

A transformação ocorrida no grupo Match desde que passei a trabalhar para a empresa, há 12 anos, é impressionante. Naquele tempo, sites de relacionamento só podiam ser acessados de um desktop ou de um laptop. Com frequência, os sites exigiam taxas mensais e muita paciência dos usuários, que passeavam pelos perfis enquanto aguardavam respostas. O namoro online também carregava forte estigma, por isso, se um casal havia se conhecido no Match, muitas vezes mentiam dizendo que haviam sido apresentados “por amigos”. Embora os sites contassem com algoritmos rudimentares em seus primórdios, a maior parte dos usuários confiava na “busca aberta”: liam inúmeros perfis que podiam ter pouca relevância na esperança de encontrar alguém que, de fato, desejassem conhecer. Se hoje você descrever esse processo a um usuário de 25 anos do Tinder…

access_time25 minutos
como deixar sua empresa à prova de escândalos

EM MEADOS DE 2016, acusações de que funcionários do banco de varejo da Wells Fargo tinham aberto mais de um milhão de contas não autorizadas e vendido aos clientes milhares de produtos desnecessários chegaram ao noticiário nacional. O escândalo atingiu a Wells Fargo em cheio. Em 8 de setembro, a Agência de Proteção ao Consumidor Financeiro, a Agência Controladora da Moeda e da Cidade e a Prefeitura de Los Angeles multaram a empresa em US$ 185 milhões — e depois de surgirem mais revelações de abusos contra o consumidor, a Wells Fargo ainda foi multada em mais US$ 1 bilhão e gastou US$ 575 milhões em processos judiciais. No fim de setembro, o preço das ações do banco havia caído 13%, devastando a capitalização da Wells Fargo em cerca de…

access_time1 minutos
em resumo

O PROBLEMA Apesar dos gastos corporativos exigidos pelo governo em sistemas para desencorajar o crime de colarinho branco, os dados e evidências informais indicam que ele continua aumentando. AS CAUSAS As pesquisas sugerem que o verdadeiro culpado não são os sistemas, mas a fraca liderança e culturas corporativas falhas que forçam os funcionários a aumentar os lucros a qualquer custo. A SOLUÇÃO Os líderes precisam transmitir a mensagem de que o crime prejudica toda a organização, punir os infratores igualmente, contratar gestores íntegros, criar processos de tomada de decisão que reduzam a oportunidade de atos antiéticos ou ilegais e ser defensores da transparência.…

help