EXPLORARBIBLIOTECA
searchclose
shopping_cart_outlined
exit_to_app
category_outlined / Ciência
Mente Cérebro Especial Mente Cérebro Especial

Mente Cérebro Especial No.57

A revista Mente&Cerebro Especial aborda apenas um tema por edição. Os temas são voltados a todos que se interessam pelos misterios da mente humana. Seus artigos e repostagens são porduzidos em linguagem acessivel, e abordam temas como emoções, inteligência, sexualidade, distúrbios e outros assuntos fascinantes do psiquismo

País:
Brazil
Língua:
Portuguese
Editora:
Editora Segmento Ltda
Ler Maiskeyboard_arrow_down

NESTA EDIÇÃO

access_time1 minutos
o que é sagrado para você?

Nem sempre a resposta para essa pergunta é óbvia. Há pessoas para quem o vínculo com o divino, bem como a adesão a rituais específicos, parece algo “natural”, quase inevitável. Para outros, a devoção suscita mais questionamentos e dúvidas do que bem-estar. E há tantos outros que sequer mantêm fidelidade a uma única crença. Em muitos casos parece haver “gradações” permeadas pela cultura, pela personalidade e pela subjetividade. Qualquer que seja o sistema de significados centrados no sagrado (ou na ausência dele), é inegável sua influência sobre a vida das pessoas, relações consigo mesmas e com os outros. Não raro, aquilo em que acreditamos confere sentido a nossas escolhas e à própria história, desde o nascimento até a morte. Nos últimos anos, cientistas têm buscado compreender também os correlatos neurais da…

access_time11 minutos
nascemos religiosos?

O AUTOR VASSILIS SAROGLOU é professor de psicologia da divisão de psicologia social da Université Catholique de Louvain, na Bélgica, onde dirige o Centro de Psicologia da Religião. Uma pergunta sempre permeia os debates em torno da religião: Deus existe? Não é fácil responder. Mas podemos indagar algo mais palpável: por que alguns de nós acreditamos que sim e outros não? Teólogos e ministros argumentam que a fé é uma questão de escolha estritamente pessoal. Será mesmo? Obviamente nem todo mundo é religioso. Muitos, aliás, sequer mantêm fi- delidade a um único sistema de crenças. Aproximadamente metade dos adultos americanos, por exemplo, mudou de fé pelo menos uma vez na vida – a maioria antes dos 24 anos, segundo o Fórum Pew sobre Religião e Vida Pública (PFRPL, na sigla em inglês). Embora…

access_time1 minutos
os 5 grandes fatores

Extroversão Característica relacionada a pessoas dinâmicas, gregárias e sociáveis; timidez e reserva estão ligadas à introversão Neuroticismo Tendência à ansiedade, depressão e vulnerabilidade emocional em contraste com o otimismo e a estabilidade emocional Afabilidade Tem a ver com empatia, solicitude e confiança; do outro lado estão o individualismo, a arrogância e a mesquinharia Consciência Favorece autocontrole, organização e concentração; pessoas com dificuldade nessa característica podem ser impulsivas e desorganizadas Abertura Aspecto ligado à imaginação, curiosidade intelectual e valorização de sentimentos complexos; pessoas menos “abertas” tendem a se acomodar…

access_time1 minutos
diga-me no que crê...

Grandes ou pequenas, as escolhas que fazemos podem oferecer pistas sobre nossa forma de crer. Em um estudo realizado pela psicóloga Laura Naumann e seus colegas, na época da Universidade da Califórnia em Berkeley, foi pedido aos participantes que descrevessem sua personalidade e religiosidade (pessoas próximas deveriam fazer o mesmo a respeito dos voluntários). Depois, eles foram fotografados de corpo inteiro. Em seguida, as imagens foram apresentadas para outro grupo que deveria tentar adivinhar aspectos da personalidade e o tipo de religião dos participantes. Resultado: os observadores acertaram mais de 60% das vezes. Outras análises comprovaram cientificamente algo que já sabemos intuitivamente: tendemos a julgar as pessoas, pelo menos em parte, com base no jeito como se arrumam. Encontramos ainda outras relações entre crença e comportamento. Investigamos, em nosso laboratório na…

access_time8 minutos
crer faz bem?

A religião surgiu na história da humanidade com as primeiras agregações sociais e, embora não seja a única possibilidade de conferir sentido à existência, para milhões de pessoas em diferentes épocas e culturas tem sido uma forma eficiente de se projetar no futuro com mais segurança. Ideais políticos, comprometimento com causas sociais ou ecológicas podem assumir a mesma função psíquica; porém, pelo modo como é estruturada na cultura, a crença religiosa funciona como um organizador psíquico privilegiado – embora exista o risco de instituições, dogmas e rituais exageradamente rígidos favorecerem justamente o oposto: confusão, fanatismo e adoecimento mental. Mesmo quem reconhece a importância da religião não economiza críticas. “Em nome da fé se justificaram ações de todo gênero, dos gestos de generosidade às atrocidades”, comenta a psicóloga Israela Silberman,professora da Universidade…

access_time1 minutos
sentidos sobrenaturais

O termo “religião” tem origem no latim religo – “ligar junto” ou “religar” –, uma expressão que subentende tanto a relação entre a pessoa e uma entidade sobrenatural quanto a proximidade entre aqueles que praticam um mesmo culto. O conceito de religião foi adotado e difundido somente há poucos milênios, mas provavelmente a gênese do sentido espiritual de algumas entidades que justificasse a vida e a morte e, em última análise, a existência de todas as coisas coincida com o início do pensamento simbólico. Para o antropólogo cultural Claude Lévi-Strauss, as ideias básicas da religião – como Deus, alma, espírito e totem – têm origem na experiência social. Para o pesquisador, que viveu no Brasil e lecionou na Universidade de São Paulo (USP), esses conceitos se constituem por meio de…

help