Negocios y Finanzas
Harvard Business Review Brasil

Harvard Business Review Brasil Janeiro 2020

É a edição brasileira da mais importante revista de economia, gestão e négocios do mundo. Fundada há 91 anos, permanece na liderança das idéias revolucionárias que movem corporações em todo o mundo

País:
Brazil
Idioma:
Portuguese
Editor:
RFM EDITORES Ltda
Periodicidad:
Monthly
Leer Más
ESPECIAL: Save 40% on your subscription!
SUSCRIBIRSE
USD96.14USD57.68
12 Números

en este número

1 min.
o verdadeiro negócio de dados

DADOS DO CLIENTE E analytics formam uma dupla de enorme potencial. Todos sabem o que deve ser feito: quanto mais clientes você tiver, mais dados poderá coletar e analisar para criar produtos cada vez melhores que não param de atrair clientes. A sabedoria convencional sustenta a vantagem competitiva conferida por este círculo virtuoso é quase imbatível. Devagar com o andor, dizem Andrei Hagiu, da Questrom School of Business, e Julian Wright, da National University of Singapore. Eles argumentam que é um erro supor que os benefícios do aprendizado baseado em dados são tão poderosos ou duradouros quanto os efeitos de rede, em que o valor do serviço — digamos, uma plataforma de mídia social — continua aumentando à medida que mais pessoas o usam. “Na maioria dos casos”, dizem eles, “as…

10 min.
radar

NA TEORIA POR QUE OS CONSELHOS DEVEM SE PREOCUPAR COM O COMPORTAMENTO DOS EXECUTIVOS FORA DO TRABALHO Dirigir embriagado, receber multas de trânsito e outros fatores podem aumentar os riscos no trabalho. EM MEADOS DA DÉCADA DE 2000, os Estados Unidos estavam enfrentando uma onda de escândalos corporativos: pense nas empresas WorldCom, Enron, Tyco e AIG. Para Aiyesha Dey, então professora de contabilidade na University of Chicago, aqueles eventos provocaram uma indagação: o estilo de vida dos líderes das empresas afeta os resultados de suas organizações e, se afeta, de que maneira isso ocorre? “Havia todos aqueles artigos a respeito de como aquelas empresas estavam dando festas de milhões de dólares”, recorda-se Dey. Então, ela e seus colegas mergulharam em uma série de estudos que ligavam o comportamento dos líderes fora da empresa…

29 min.
o poder das equipes invisíveis

Dois enfermeiros. Mesma função, diferentes hospitais. Um se destaca pela excelência no atendimento aos pacientes, o outro não. Por quê? Jordan trabalha no Centro Médico da Universidade Stanford como enfermeira do departamento de ortopedia há três anos. Em entrevista recente ela nos contou como está empolgada nessa função cujo objetivo é ajudar a melhorar a saúde das pessoas. Ela, particularmente, adora o que chama de abordagem interdisciplinar, na qual a família, o médico responsável pelo caso, demais médicos, outros enfermeiros, o fisioterapeuta, a terapeuta ocupacional, a assistente social trabalham juntos para decidir qual é o melhor tratamento para cada paciente. Fritz é enfermeiro clínico há praticamente o mesmo período, mas trabalha num departamento diferente em outro hospital. Ele cumpre a mesma jornada de trabalho que Jordan, mas ao contrário dela, ele não…

2 min.
marcus buckingham e ashley goodall

“Desde o início, eu sabia que alguma coisa estava acontecendo”, observa Marcus sobre a época em que começou a trabalhar na Gallup Organization, onde estudou culturas muito elogiadas de algumas das mais prestigiadas empresas do mundo. Observando inconsistências (e, muitas vezes, toxicidade chocante) dessas culturas, ele chegou à conclusão de que “até as melhores empresas para trabalhar tinham alguma coisa errada — ou então o errado era eu”. Por isso, comecei uma investigação por conta própria e uma carreira dedicada a entender o que promove o alto desempenho e o envolvimento no mundo laboral, e compartilhar os resultados. Marcus já tem nove livros publicados. O último, com Ashley Goodall, é Nine lies about work: a freethinking leader’s guide to the real world (Harvard Business Review Press, 2019). Ele foi perfil no…

2 min.
os ingredientes do envolvimento

OADP procurou capturar a essência do envolvimento perguntando a cada membro de equipe até que ponto ele concordava com oito afirmações simples, numa escala de cinco pontos, desde “discordo totalmente” até “concordo totalmente”. Essas afirmações, elaboradas primeiramente por pesquisadores da Gallup e desde então aprimoradas por pesquisadores da Deloitte, Cisco, ADP e várias outras empresas, mostraram-se a forma mais confiável e poderosa que conhecemos para explicar a diferença entre as melhores experiências no trabalho e as demais. As oito afirmações (extraídas textualmente do estudo do ADPRI) capturam as emoções e atitudes anteriores ao envolvimento e as emoções e atitudes de funcionários produtivos. 1. Estou realmente entusiasmado com a missão de minha empresa. 2. No trabalho, entendo perfeitamente o que é esperado de mim. 3. Na minha equipe, estou cercado por pessoas que compartilham meus…

2 min.
o envolvimento em nível mundial representado em gráficos

Manter os funcionários envolvidos é um problema que afeta as empresas do mundo todo. A tendência é pensarmos somente no envolvimento em nossas próprias organizações. Mas novas pesquisas do Instituto de Pesquisas ADP, que produzem e compartilham descobertas com base em dados sobre todos os aspectos do mundo laboral, revelam diferenças gritantes no engajamento entre países, indústrias e tipos de emprego. Depois de pesquisarem mais de 19 mil empregados do mundo todo, os pesquisadores descobriram que, em geral, somente 16% dos funcionários estão completamente envolvidos (Isso não significa que os demais sejam maus funcionários ou estejam fortemente desengajados. Mas significa que há muito a melhorar). No entanto, em alguns países as políticas e atitudes mudaram os rumos. E alguns fatores focados pelas empresas para entender o envolvimento — idade, gênero, local…