EXPLORARBIBLIOTECA
searchclose
shopping_cart_outlined
exit_to_app
category_outlined / Ciência
National Geographic Magazine  PortugalNational Geographic Magazine  Portugal

National Geographic Magazine Portugal

Octubre 2109

National Geographic Magazine é uma revista única no seu género. Mais de 100 anos a publicar as explorações e descobrimentos dos seus cientístas, exploradores e fotógrafos. Mais de 100 anos mantendo-se fiel ao seu compromisso de velar pelos bens culturais, históricos, antropológicos e naturais do nosso planeta.

País:
Portugal
Língua:
Portuguese
Editora:
RBA REVISTAS PORTUGAL
Ler Maiskeyboard_arrow_down
COMPRAR EDIÇÃO
2,32 €(IVA Incl.)
ASSINATURA
18,52 €(IVA Incl.)
12 Edições

NESTA EDIÇÃO

access_time3 minutos
salvar animais contando as suas histórias

A primeira volta ao mundo No melhor pano, cai a nódoa e, por vezes, a nódoa fica mesmo à vista de todos. Os leitores detectaram seguramente a arreliadora gralha na primeira página da última edição. Onde deveria estar "primeira volta ao mundo", ficou indesculpavelmente "primera volta ao mundo". Aos leitores, as nossas desculpas. UM RATO-TOUPEIRA-AFRICANO foi o primeiro modelo do fotógrafo Joel Sartore em 2006 quando este imaginou o projecto de fotografar animais em estúdio. O objectivo singelo de então passava por captar para a posteridade espécies que um dia poderiam extinguir-se. Para reflectir o propósito do projecto de preservação da vida animal, Joel cunhou o nome de Photo Ark [Arca fotográfica]. No momento em que estiver a ler estas linhas, Joel já terá fotografado cerca de dez mil animais. Tem planos…

access_time26 minutos
os celtas

ALÉSIA Os celtas barricam-se. Os romanos cercam-nos com fortificações sólidas. Travam combates corpo a corpo. Na Borgonha, os celtas perdem a última grande batalha em 52 a.C. BIBRACTE A capital dos éduos, na Borgonha, era um dos 150 ópidos celtas fortificados, incluindo um em Manching, junto de Ingolstadt, na Baviera. Os habitantes prestavam culto aos seus deuses e desenvolviam o comércio. Os artesãos cunhavam moeda e fabricavam jóias. Perto do final da sua época, os celtas eram quase uma civilização avançada. UM SACRIFÍCIO TERRÍVEL Meio século antes da batalha de Alésia, os celtas sacrificaram animais e até seres humanos no topo deste monte na região ocidental da Suíça. Em grande sofrimento, pediram ajuda aos deuses, segundo a hipótese proposta pelos arqueólogos que ali trabalham. Aproximadamente em 100 a.C., os romanos alargaram a sua área de…

access_time9 minutos
em extinção

VIDA SOB CERCO Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), há mais de 28 mil espécies de animais e plantas em risco de extinção. Este número constitui, aliás, uma estimativa conservadora. A partir de 1964, ano em que a UICN criou uma “lista vermelha” de espécies em perigo e começou a compilar dados de todo o planeta, essa lista tornou-se a base de dados mais conhecida dos animais e plantas ameaçados e uma ferramenta essencial para as políticas de conservação. No entanto, a UICN só conseguiu avaliar cerca de 106 mil dos mais de 1,5 milhões de espécies de animais e 300 mil espécies de plantas descritas e designadas pelos cientistas – as quais representam menos de um quarto das realmente existentes. Um relatório intergovernamental recentemente apresentado sobre…

access_time1 minutos
ameaça: doença

Desde a década de 1980 que uma doença fúngica chamada quitridiomicose, provavelmente disseminada através de contacto directo e água infectada, tem devastado as populações de anfíbios. Mais de quinhentas espécies foram afectadas, 90 das quais podem encontrar-se extintas. O fungo perturba a transmissão dos electrólitos através da pele da rã, ou do sapo, acabando por provocar paragem cardíaca. 1. Sapo-arlequim de Andersson, Atelopus palmatus (CR) Endémico do Equador, gravemente afectado pelo fungo, também tem perdido habitat para a agricultura e a urbanização. A sua população diminuiu mais de 80% ao longo da última década. 2. Rã-marsupial de Espada, Gastrotheca testudinea (LC) Esta rara rã arborícola dos Andes orientais equatorianos, peruanos e bolivianos é menos vulnerável ao fungo porque, ao contrário da maioria das rãs, não faz posturas perto de água. As fêmeas chocam os…

access_time1 minutos
ameaça: espécies invasoras

Kagu, Rhynochetos jubatus (EN) À semelhança de muitas espécies insulares, a kagu, uma ave endémica da Nova Caledónia, no Pacífico francês, quase desprovida de capacidade para voar, foi gravemente afectada pela chegada dos colonos europeus e dos seus animais em finais do século XVIII. Com o tamanho aproximado de uma galinha, a kagu continua a ser presa de porcos, felinos e canídeos introduzidos. Estas aves fazem ninho no solo e os ratos devoram-lhes os ovos. Uma estimativa recente aponta para menos de mil exemplares sobreviventes da kagu. Ainda assim, os cientistas têm alguma esperança no futuro: décadas bem-sucedidas de reprodução em cativeiro conduziram à reintrodução destas aves. O controlo dos predadores permitiu a recuperação de algumas populações.…

access_time2 minutos
ameaça: perda de habitat

As borboletas percorrem longas distâncias em voo e alimentam--se de diversos tipos de flores, mas as lagartas são localívoras, alimentando-se das plantas sobre as quais nascem ou na sua proximidade. Quando essas plantas se perdem, as borboletas desaparecem. As espécies aqui referidas não figuram na lista da UICN (que só avaliou oito mil espécies de insectos), mas outras instituições consideram-nas em risco. 1 . Speyeria adiaste atossa (NE) Esta borboleta da Califórnia perdeu o habitat devido às pastagens e à seca e considera-se extinta. O último exemplar vivo foi visto na natureza em 1960. 2. Borboleta-atala, Eumaeus atala (NE) Em meados do século XX, esta borboleta originária da Florida e das ilhas a sul e leste deste estado foi considerada extinta. Agora, a sua anfitriã, uma planta semelhante a uma palmeira chamada coontie, tornou-se…

help