EXPLORARBIBLIOTECA
searchclose
shopping_cart_outlined
exit_to_app
category_outlined / Ciência
National Geographic Magazine  PortugalNational Geographic Magazine  Portugal

National Geographic Magazine Portugal Marzo 2019

National Geographic Magazine é uma revista única no seu género. Mais de 100 anos a publicar as explorações e descobrimentos dos seus cientístas, exploradores e fotógrafos. Mais de 100 anos mantendo-se fiel ao seu compromisso de velar pelos bens culturais, históricos, antropológicos e naturais do nosso planeta.

País:
Portugal
Língua:
Portuguese
Editora:
RBA REVISTAS PORTUGAL
Ler Maiskeyboard_arrow_down
COMPRAR EDIÇÃO
2,32 €(IVA Incl.)
ASSINATURA
18,52 €(IVA Incl.)
12 Edições

NESTA EDIÇÃO

access_time2 minutos
um futuro incerto

CECILIA MARTÍNEZ TINHA 15 ANOS em 1998 quando entrou no Arizona (EUA) oriunda do México. Vinha sem família e ninguém a esperava. Viajava sozinha. Sobreviveu aceitando vários trabalhos – cuidou de crianças e ensacou mercadorias. Foi difícil, mas era preferível à vida que levara em El Salvador: “Vim para trabalhar. Todos diziam que se podia ter uma vida melhor aqui.” Cecilia teve sucesso. Três anos depois de sua chegada, recebeu o estatuto de protecção temporária (TPS, na sigla anglófona), atribuído às pessoas procedentes de países onde as condições de vida (como conflitos armados ou desastres naturais) tornam o regresso inseguro. El Salvador cumpre esse requisito: em 2001, aconteceram dois terramotos catastróficos e, desde então, a guerra entre gangues, polícia e militares transformou este país num dos mais mortíferos do mundo, se…

access_time27 minutos
está aí alguém?

Raios laser rasgam o céu junto do Very Large Telescope do Observatório Europeu do Sul, no deserto de Atacama (Chile). Os lasers criam estrelas-guia artificiais que ajudam os astrónomos a corrigir distorções causadas pela turbulência atmosférica. O telescópio é um dos poucos capazes de captar directamente imagens de exoplanetas gigantes.GERHARD HÜDEPOHL, ESO No seu gabinete no 17.º piso do Edifício 54 do MIT, Sara Seager encontra-se no lugar mais perto possível do espaço em Cam - bridge, no estado de Massachusetts (EUA). Da janela, ela consegue ver para lá do rio Charles, até à baixa da cidade de Boston. No interior do edifício, o panorama alarga-se até à Via Láctea e mais além. Esta astrofísica de 47 anos é especialista em exoplanetas, ou seja, em todos os planetas do universo excepto aqueles…

access_time1 minutos
a próxima vaga de caçadores de planetas

O telescópio Kepler, que detectou milhares de exoplanetas, foi desactivado no ano passado. Novos telescópios prometem melhorias dramáticas na prospecção. Prevê-se que os telescópios aqui mostrados aumentem significativamente a nossa capacidade de detectar sinais de habitabilidade a milhares de anos-luz de distância. Além de determinarem o tamanho de um planeta e a distância em relação à sua estrela, poderão estudar o terreno e examinar a existência de nuvens. INSTRUMENTOS TERRESTRES Os telescópios instalados em terra possuem lentes pesadas e potentes, com manutenção bastante mais fácil. Em contrapartida, a atmosfera terrestre filtra e distorce a luz das estrelas, limitando a sua capacidade de visão no espaço sideral. INSTRUMENTOS ORBITAIS Longe da atmosfera da Terra, os telescópios conseguem detectar comprimentos de onda em todo o espectro electromagnético. No entanto, têm de ser muito pequenos e são…

access_time1 minutos
à procura de luz

Nesta ilustração, um exoplaneta orbita em frente de uma estrela muito parecida com o Sol. Uma das formas de descobrir se um planeta pode conter vida consiste em procurar indícios reveladores, as bio-assinaturas. Quando a luz estelar é reflectida por um planeta ou passa através da sua atmosfera, aqui mostrada a azul, os gases absorvem comprimentos de onda específicos. O espectro observado através de um telescópio pode revelar a presença de gases relacionados com a vida, como o oxigénio, o dióxido de carbono ou o metano. Os sinais gasosos de vida da Terra Ao passar através da atmosfera, a energia electromagnética (luz) criaria um espectro como este, que revela a presença de compostos associados à vida.…

access_time1 minutos
observação das cores

Na Terra, a clorofila das plantas que realizam fotossíntese absorve luz azul e vermelha. É por esse motivo que a vegetação parece verde. Noutros mundos com vida, porém, a fotossíntese poderá utilizar um pigmento diferente. O tom lavanda deste hipotético exoplaneta, observado a partir da sua lua gelada, deriva de um pigmento chamado retinaldeído, que também pode converter luz em energia metabólica e poderá ter precedido a clorofila nos primeiros tempos da Terra. Sinais de vida cromáticos da Terra Um contraste acentuado entre a absorção da luz vermelha e a reflexão de luz no infravermelho próximo [o limiar do vermelho (red-edge) da vegetação] indica a presença de plantas.…

access_time1 minutos
extraterrestres inteligentes

Até à data, a busca de inteligência alienígena focou-se na detecção de um sinal de rádio dirigido à Terra. Com capacidade de computação acrescida e telescópios mais sensíveis, os investigadores alargam a busca a emissões ópticas e de infravermelhos, visando as “tecno-assinaturas” de outras civilizações. Estas poderão incluir impulsos laser, gases poluentes ou estruturas construídas em redor de uma estrela vizinha para captar a sua energia. Picos de transmissão oriundos do espaço Este espectro de potência de um levantamento de 14 sistemas planetários incluía um sinal que parecia promissor, mas não se encontrou qualquer prova de provir de vida inteligente.…

help